domingo, 26 de Outubro de 2014

UM CHEIRINHO A MARESIA...

... e uns raiozinhos de Sol fazem maravilhas pela boa disposição de qualquer um! Alguém se atreve a desdizer-me?!?


APROVEITEM!
(se for o caso)

terça-feira, 14 de Outubro de 2014

GRAFFITIS URBANOS - 1

A falta de concentração, a preguiça, as temáticas pouco interessantes que se encontram dentro de 4 paredes - só saio de casa para ir ao hospital, mas a invernia também não teria convidado a grandes passeios - têm tornado as minhas postagens muito esporádicas. Daí ter-me lembrado de mostrar algumas fotos tiradas este verão, que evidenciam como o graffiti urbano pode ser uma mais valia artística para as cidades, em geral, e Lisboa, em particular. Para quê fachadas de casas em ruínas, muros velhos e pardacentos, superfícies que não têm uma qualificação possível, com tantos e bons artistas dispostos a trabalhar para ajudarem a embelezar esses espaços?

Enfim, a coleção ainda é pequena, mas espero que quando a acabar de a publicar já possa dar umas voltinhas para tirar mais umas quantas fotografias.

E já agora, alguém sabe onde fica o graffiti da foto? Ah, parece que também já existe um catálogo dos principais graffitis existentes na cidade, mas esse ainda não o vi...

quinta-feira, 2 de Outubro de 2014

PRIMEIRO AS SENHORAS

Tenho lido muito pouco, quase nada, para ser sincera. Mas estas 110 páginas de Mário Zambujal leem-se muito bem. Trata-se de um monólogo ou, melhor dizendo, de um depoimento minucioso de Edgar ao inspector da polícia judiciária sobre o alegado rapto de que terá sido vítima. Edgar, um bom malandro tuga com ademanes de um D. Juan a dar para o pindérico tem, em contrapartida, uma enorme verborreia e entre mentiras, verdades e meias verdades vamos percebendo o que realmente se passou...

OK, sou suspeita ao recomendar este livro: além de admiradora do autor, também sou adepta de histórias divertidas e bem dispostas. E pelo preço... pode-se pedir mais?!?

segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

DESENCAFUADA!

É assim que me sinto após ter tido alta hospitalar sexta-feira passada. Não é que as equipas médicas, de enfermagem e restante pessoal não faça o possível para minimizar os efeitos da reclusão, mas facto é que nada é como a nossa casa, mesmo sem referir a comida hospitalar. Que, dizem-me, tem melhorado muito nos últimos anos...

Bom, por enquanto ainda estou muito limitada e com visitas assíduas ao hospital - e espero que só isso (nóc, nóc, nóc, para não dar azar) - mas é completamente diferente. Aos poucos espero também retomar o convívio blogosférico, que tem sido um bocado intermitente: até a posição para estar sentada ao computador era complicada.

Agradeço a todos os que sempre aqui me enviaram mensagens de força, coragem e votos de melhoras e aproveitem bem para ter um excelente último dia de verão! Carpe Diem!

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

CHEEK TO CHEEK...

"Cada dia que passa te amo mais: hoje mais que ontem e bem menos que amanhã", escreveu a poetisa Rosemonde Gérard no século XIX, num poema dedicado a seu marido Edmond Rostang, também ele escritor e poeta.

Ao completar 24 anos de casamento, não podia concordar mais com ela...

Este ano não haverá comemorações, por motivos óbvios, mas para o ano os festejos serão redobrados,.. se tudo decorrer nos conformes!

Como música, pois, não poderia faltar um dos duetos mais famosos de Louis e Ella, que adoro especialmente; "Cheek to Cheek":


sábado, 13 de Setembro de 2014

OS FILHOS DO ÉDEN

Sono, muito sono! Suponho que nunca tinha tido tanto sono na vida, pelo que nem blogues, nem leituras, um esforço titânico para não adormecer durante a hora das visitas ou do episódio da telenovela. Nem sempre conseguido, diga-se! Mas pronto, nos últimos dias a soneira reduziu bastante, já me começaram a falar "de alta" - o que dá logo outro ânimo - e acabei de ler finalmente o livro que trouxe na bagagem, cuja leitura já tinha iniciado antes do internamento: "Os Filhos do Éden", de Ken Follett.

Como muitos saberão sou fã do escritor, mas desta fez o livro foi muito mal escolhido. A começar porque tenho verdadeiro horror a terramotos e Priest e alguns membros da sua comuna hippie andam a tentar provocá-los, de modo a "chantagear" o governador da Califórnia - que pretende construir uma barragem num local que irá alagar as vinhas, que são o modo de subsistência da dita comuna. Cabe na cabeça de alguém provocar terramotos, cujas consequências são imprevisíveis? Pelos vistos Follett pensa que há gente tão radical a esse ponto e, embora a certa altura refira que nem todas as comunas/seitas religiosas são avessas à sociedade, a ideia que normalmente não são flor que se cheire paira ao longo das 438 páginas. Claro que o enredo também se move em torno da agente do FBI Juddy Maddox, que é das primeiras a acreditar nas ameaças loucas de Priest, e na enorme e incansável perseguição aos suspeitos. Incansável, ela, que por mim já estava bem cansadinha de tanta perseguição...

Dito isto, não deito as "culpas" ao livro: parece-me é que há livros que não devemos ler em certas circunstâncias - poderia ter arranjado qualquer coisinha mais animada, por exemplo!

BOM FIM DE SEMANA! 

sábado, 6 de Setembro de 2014

FLORES E CANTOS

Tirei esta fotografia no dia 31 de maio deste ano para publicar aqui no blogue, já que a Ematejoca fazia anos nesse mesmo dia. Mas acabei por não publicar: estava um bocado zonza dos 4 dentes que arrancara na véspera e calculei que ela pudesse não gostar destas flores de pano. No entanto, faziam todo o sentido à porta de uma boutique hippie e davam uma alegria à rua que só visto...

A voz que Chico Buarque empresta a "Olhos nos Olhos" também é bem catita (palavra que parece ter caído em desuso, exceto entre tias da Lapa):


Entre flores, cantos e cantinhos, aqui ficam os meus votos de um MARAVILHOSO FIM DE SEMANA para todos!

segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

O MEU DIA FAVORITO!

OK, o meu dia favorito não é uma segunda-feira de Setembro. A bem dizer, nem posso afirmar que tenha dias favoritos. Simplesmente, gostei da "filosofia" de Winnie the Pooh, patente no desenho acima...

Enfim, estou com falta de temas para postagens e sem grande cabeça para engendrar escritos ou desafios complicados - nem simples, mas pronto! - de modo que hoje só sai o desenho. Aproveitando para esclarecer que estou a recuperar "normalmente", embora não tão depressa quanto desejava. É sempre assim, estamos sempre desejosos de nos pôr "finos"!

Já agora, alguém tem dia(s) favorito(s)? Pensando bem, eu cá gosto do dia do meu aniversário, do Natal, da noite de Santo António, se calhar até era capaz de dar uma listinha... 

Imagem do facebook.

domingo, 24 de Agosto de 2014

UM CANTEIRO MUITO ESPECIAL

Juro que quando fotografei só pensei na beleza daquele canteiro. Mas depois informei-me melhor e descobri o que era. Alguém sabe?

ADENDA a 27/08/2014: Como já vai sendo hábito nestes pequenos desafios, há sempre alguém que dá uma pista que funciona e (quase) todos percebem do que se trata: o local onde repousam as cinzas de José Saramago, debaixo de uma oliveira da sua terra natal (Azinhaga) e frente à Casa dos Bicos, em Lisboa, onde se localiza a fundação que leva o seu nome. A colagem seguinte não é muito elucidativa do local, mas ainda dá para ver alguns ramos de oliveira frente à casa - bem sei que podia arranjar um ângulo melhor, mas no dia estava um casal com cara de poucos amigos abancado no local, preferi "passar"...

Bom, o Pedro Coimbra foi o primeiro a reconhecer o local, depois já foi fácil para os restantes comentadores chegar lá. O Rui Espírito Santo refere o dia 18 - porque Saramago morreu a 18 de junho de 2010, mas as cinzas do escritor só foram depositadas no local exatamente um ano depois - e a Afrodite fez referência à Casa dos Bicos. Enfim, tal como digo, também não sabia da história daquele canteiro, foi preciso passar por lá... Obrigada a todos pela participação!   

Boa semana para todos!